Mudança de E-mail da Associação

Posted in Uncategorized on Novembro 12, 2008 by apjbadminton

Vimos por este meio comunicar-vos que o e-mail da Associação de Jogadores passou a ser o seguinte:

apjbadminton@gmail.com

Teremos todo o gosto em esclarecer qualquer dúvida,sempre.

Cumprimentos.

Anúncios

Fichas de Inscrição

Posted in Uncategorized on Novembro 3, 2008 by apjbadminton

Olá a todos

Assim que possivel enviaremos a todos aqueles que já nos fizeram o pedido de ficha para se filiarem na APJB. Continuem a passar palavra, pois queremos expandir a Associação a todos os nossos Jogadores Nacionais.

Por agora é tudo,

Uma boa semana a todos

Fichas de Inscrição para APJB

Posted in Uncategorized on Outubro 27, 2008 by apjbadminton

Olá a todos

Vimos por este meio pedir a todos os jogadores interessados que, caso queiram fazer parte da APJB, devem dirigir um e-mail a associacaojogadores@hotmail.com , deixando indicação para o envio de uma ficha de inscrição por parte da APJB. Isto porque é-nos muito difícil conseguir arranjar os contactos de todos os nossos jogadores nacionais. Por isso pedimos que passem palavra desta informação a todos aqueles que a possam desconhecer.

Agradecemos a vossa colaboração,por forma a que tudo corra da melhor forma e com a maior brevidade possivel.

Saudações desportivas e apesar de já termos iniciado a época, uma boa época a todos!

Regulamento Geral Interno e Estatutos da APJB

Posted in Uncategorized on Outubro 27, 2008 by apjbadminton

APJB – RGI – Regulamento Geral Interno

I – Denominação – Sede – Fins – Jurisdição

1º A Associação Portuguesa de Jogadores de Badminton– doravante designada pela sigla APJB – é uma associação de direito privado sem fins lucrativos e tem sede em Lisboa, podendo ocupar ou possuir instalações em qualquer outro Distrito Nacional.

2º A APJB rege-se pelos Estatutos, pelo presente Regulamento Geral Interno (RGI), pelos regulamentos internos que vierem a ser criados, pelo anexos e demais legislação em vigor.

3º A APJB tem por fins:

a) Dirigir, promover, incentivar e regulamentar a prática do Badminton em Portugal na perspectiva do Jogador;

b) Estabelecer e manter relações com a Federação Portuguesa de Badminton (FPB), com as restantes Associações congéneres do País, com os clubes, praticantes e com a administração pública;

c) Proteger e defender os legítimos interesses dos seus sócios e filiados.

4º São interditas à APJB quaisquer actividades de carácter religioso ou político.

II – Insígnias

5º Os modelos e descrições das insígnias e equipamentos da APJB serão objecto de regulamento a elaborar pela direcção.

III – Composição

6º A APJB é composta pelas seguintes categorias de Sócios:

a) Jogadores

b) Honorários

1 – Sócios Honorários
2 – Sócios de Mérito

7º Sócios

a) São Sócios as pessoas singulares, que estão ou já estiveram filiados como Jogadores na FPB.

b) São direitos dos Sócios :

1- Possuir uma prova da qualidade de associados;
2- Receber gratuitamente os relatórios e exemplares de todas as comunicações ou publicações editadas pela APJB;
3- Participar nas provas organizadas pela APJB, de harmonia com os respectivos regulamentos;
4- Propor à AG todas as providências julgadas úteis ao desenvolvimento e prestígio do Badminton, incluindo alterações ao presente RGI, Estatutos e demais regulamentos;
5- Assistir às reuniões da AG;
6- Dirigir às autoridades competentes, por intermédio da APJB, reclamações e petições contra actos ou factos lesivos dos seus direitos e interesses.

c) São deveres dos Sócios:

1- Efectuar, dentro dos prazos estabelecidos, o pagamento das quotas, taxas ou outras importâncias devidas à APJB;
2- Cumprir o preceituado nos Estatutos e Regulamentos e determinações da respectiva Federação e da APJB;

8º Sócios Honorários

a) A categoria de Sócio Honorário é concedida, como testemunho de reconhecimento, às personalidades, entidades ou colectividades, sejam ou não Sócios ou Filiados da APJB, que se hajam distinguido pela prática de actos de excepcional relevância em favor do desporto ou dos valores humanitários e sociais.

b) A atribuição da distinção depende da deliberação da AG, tomada sob proposta fundamentada da Direcção e aprovada por dois terços dos votos presentes.

c) Em execução da deliberação, a Direcção emitirá e entregará à entidade agraciada, ou ao seu representante, em cerimónia condigna, diploma e, sendo adequado, cartão individual consentâneos com a distinção.

d) Os Sócios Honorários terão direito a participar sem direito a voto nas reuniões da AG.

9º Sócios de Mérito

a) A categoria de Sócio de Mérito é concedida, como testemunho de reconhecimento, às personalidades, entidades ou colectividades, Sócios ou Filiados da APJB, que se hajam distinguido pela prática de actos de excepcional relevância em favor do Badminton.

b) A atribuição da distinção depende da deliberação da AG, tomada sob proposta fundamentada da Direcção e aprovada por dois terços dos votos presentes.

c) Em execução da deliberação, a Direcção emitirá e entregará à entidade agraciada, ou ao seu representante, em cerimónia condigna, diploma e, sendo adequado, cartão individual consentâneos com a distinção.

d) Os Sócios de Mérito terão direito a participar sem direito a voto nas reuniões da AG.

10º Perda da Qualidade de Sócio, Filiado ou Titular de Categoria Honorífica

A perda da Qualidade Titular de Categoria Honorífica ocorrerá apenas por morte. Contudo, os Sócios e os Filiados devem solicitar anualmente a renovação da sua inscrição, sob pena de perda dessa qualidade.

IV – Corpos Gerentes

11º A APJB realiza os seus fins por intermédio da AG e dos corpos gerentes que são:

a) Assembleia Geral;

b) Direcção;

c) Conselho Fiscal;

12º

a) O mandato dos corpos gerentes, têm a duração indicada nos Estatutos, salvo quando outra for estabelecida, de harmonia com a legislação em vigor;

b) Os membros dos corpos gerentes podem ser reeleitos;

c) Todos os actos referidos nas alíneas anteriores são obrigatórios e os prazos respectivos improrrogáveis;

d) A competência de todos os actos referidos nas alíneas anteriores são da competência da Assembleia Geral.

13º Só podem ser eleitos para corpos gerentes, os indivíduos que reunam as seguintes condições:

a) Ter a Nacionalidade Portuguesa;

b) Serem maiores;

c) Estarem no pleno gozo dos seus direitos civis e políticos;

d) Não terem sofrido condenação com pena de prisão superior a 6 meses por crime infamante de direito comum;

e) Não terem sofrido qualquer penalidade disciplinar superior a 1 ano em qualquer modalidade desportiva.

f) Não pertencer à Direcção de qualquer outra Associação ou Federação da modalidade.

14º
a) Os membros dos corpos gerentes serão eleitos em lista completa.

b) Só poderão ser submetidas a sufrágio as listas e processo de candidatura, apresentados na Secretaria da APJB, até 8 dias antes da reunião da AG marcada com esse fim.

c) As listas referidas na alínea b) serão referenciadas da A a Z de acordo com a ordem de entrada na Secretaria da APAB;

d) Incumbe à Direcção da APJB promover que as listas e respectivos processos apresentados sejam publicados aos restantes associados com representação na Assembleia, nas 48 horas subsequentes à sua entrega;

e) A eleição fár-se-á, sem debate prévio, considerando-se eleita a lista que obtenha a maioria (50% + 1) dos votos expressos;

f) Se não se verificar a maioria prevista na alínea anterior, realizar-se-á na mesma Assembleia, após um intervalo de 15 minutos, novo escrutínio em que serão postas à votação as 2 listas mais votadas, sendo eleita a que obtenha mais votos.

g) Cada sócio terá direito a um voto na Assembleia.

15º
a) O preenchimento das vagas abertas em consequência da aceitação de renúncia ou perda de mandato, será feito pelo tempo que faltar para completar o período da gerência em curso;

b) Competirá ao Presidente da Mesa da Assembleia Geral promover o preenchimento das vagas abertas nos corpos gerentes da APJB, observando o disposto neste RGI.

16º
a) Os membros dos corpos gerentes da APJB podem renunciar ao mandato, mas a eficácia depende da aceitação da AG ou do Presidente da Mesa, conforme for apresentada durante o intervalo das reuniões;

b) Os membros dos corpos gerentes da APJB que faltarem, sem motivo justificado, a mais de 3 reuniões consecutivas ou 6 alternadas, perdem o mandato;

c) Os membros dos corpos gerentes da APJB que passem a contrariar o disposto no n.º 13º perdem o mandato;

d) Cumpre ao Presidente da Assembleia Geral apreciar as justificações das faltas referidas na alínea b), após obrigatória comunicação do Presidente, ou seu substituto, do respectivo corpo gerente.

17º O exercício de um cargo nos corpos gerentes é incompatível com:

a) O exercício de cargos na Direcção de qualquer outra Associação, Federação ou Conselho de Arbitragem da modalidade.

b) A intervenção, directa ou indirecta, em contratos celebrados com a APJB.

18º
a) Os corpos gerentes, para além das convenientes e pré-estabelecidas reuniões periódicas, poderão ser convocados pelos respectivos presidentes, quando tal se mostre necessário, com a antecedência mínima de 72 horas;

b) As deliberações dos corpos gerentes são tomadas por maioria simples de votos dos titulares presentes, tendo o presidente voto de qualidade.

V – Assembleia Geral – Composição

19º
a) A AG é composta pelos Sócios, no pleno gozo dos seus direitos, pelos membros dos corpos gerentes, pelos Titulares de Categorias Honoríficas e pelos representantes de Filiados;

20º
a) Cada Sócio, poderá delegar o seu voto através de credencial, devendo constar nas suas credenciais a indicação daquele a quem é conferido o direito de voto;

21º Compete ao Presidente da Assembleia Geral solicitar identificação, caso entenda necessário, de qualquer dos participantes bem como comprovação da qualidade em que nela participam.

V- Assembleia Geral – Funcionamento

22º As reuniões da AG efectuar-se-ão em local definido pelo Presidente da Mesa da Assembleia Geral.

23º
a) A convocação das reuniões da AG será sempre feita por aviso no site oficial, com pelo menos 15 dias de antecedência.

b) Os avisos convocatórios mencionarão precisamente os assuntos da ordem do dia. Fica ressalvada a possibilidade, num período máximo de 3 horas, serem debatidos, sem carácter deliberativo, quaisquer assuntos de interesse para a modalidade.

24º As deliberações da AG contrárias à lei e aos estatutos, seja pelo seu objectivo, seja por virtude de irregularidades na convocação dos Sócios, ou no funcionamento da Assembleia, são anuláveis.

25º
a) A anulabilidade prevista no art.º anterior poderá ser arguida dentro do prazo de 6 meses, perante os tribunais, por quaisquer membros dos corpos gerentes da APJB ou por qualquer Sócio que não tenha votado a deliberação.

b) Tratando-se de Sócio que não foi convocado regularmente para a reunião da AG, o prazo só começa a correr a partir da data em que este teve conhecimento da deliberação.

c) A anulação das deliberações da AG não prejudicam os direitos que terceiros de boa fé hajam adquirido em execução das deliberações anuladas.

26º O quorum para as reuniões é constituído pelo número de Sócios a que corresponde a maioria dos votos da Assembleia. Esta poderá, no entanto, deliberar sem a presença de tal número de Sócios, 30 minutos depois da hora marcada para a reunião.

27º
a) As deliberações da AG são tomadas por maioria simples dos votos presentes, competindo ao Presidente da Mesa, voto de qualidade;

b) Exceptuando-se as deliberações sobre:

1 – A dissolução da APJB, para aprovação da qual é necessária uma maioria de três quartas partes do universo de votos;

2 – As alterações aos Estatutos, para a aprovação das quais é necessária três quartas partes dos votos presentes;

28º

Cada Sócio tem direito a um voto.

29º As reuniões da AG são reservadas aos elementos referidos no Artº. 19º. A AG poderá, todavia, permitir a assistência aos representantes de órgãos de informação ou de outras entidades, deste que isso seja deliberado no início de cada reunião.

30º
a) De tudo o que decorrer das reuniões da AG será lavrada acta em livro próprio, numerado e rubricado em todas as folhas pelo Presidente da Mesa, que assinará os termos de abertura e encerramento.

b) A acta de cada reunião será submetida à aprovação e votação da Assembleia na reunião seguinte.

31º As reuniões da AG são ordinárias e extraordinárias.

32º
a) A AG reunirá ordinariamente uma vez em cada ano, para apreciação e votação do orçamento previsional e plano de actividades do ano social seguinte.

b) A AG reunirá ordinariamente, no período constante dos Estatutos, para eleição dos corpos gerentes.

c) A AG reunirá extraordinariamente sempre que seja necessário proceder a eleições intercalares.

d) A AG reunirá extraordinariamente sempre que tal seja solicitado por:

1- Pelo menos 25% dos sócios
2- Qualquer dos corpos gerentes

33º Compete à AG:

a) Eleger e exonerar os membros dos corpos gerentes;

b) Apreciar, discutir e votar as reformas estatutárias e regulamentares que lhe sejam propostas;

c) Apreciar e discutir os actos da Direcção aprovando ou rejeitando o respectivo relatório, balanço e contas;

d) Proclamar Titulares de Categorias Honoríficas;

e) Conceder louvores a pessoas singulares ou colectivas que tenham relevantes serviços à APJB ou à modalidade;

f) Autorizar a aquisição ou oneração, pela Direcção, de bens imóveis ouvindo o Conselho Fiscal;

g) Instituir as taxas de filiação sob proposta expressa da Direcção para o efeito, ouvindo o Concelho Fiscal;

h) Dissolver a APJB;

i) Resolver outros assuntos que a Lei, o presente RGI e demais regulamentos, atribuem á sua competência.

34º A discussão e votação das propostas de alteração dos Estatutos e Regulamentos, pela AG , nos termos deste RGI, depende da prévia distribuição com pelo menos quinze dias antes da reunião da Assembleia.

VI – Assembleia Geral

35º A Assembleia Geral é composta por um Presidente e dois secretários.

36º
a) Ao Presidente da Mesa ou, na sua falta ou impedimento, ao Primeiro Secretário compete a convocação das reuniões da AG e a orientação, direcção e disciplina dos respectivos trabalhos.

b) Se às reuniões da AG faltar algum dos componentes da Mesa, este será substituído por escolha da Assembleia, entre os Titulares de Categorias Honoríficas e só no caso de estes não aceitarem é que a escolha será feita entre os restantes membros que compõem a AG.

37º
a) Cumpre ao Presidente da Mesa conferir posse aos membros dos corpos gerentes eleitos nos termos deste RGI, nos quinze dias seguintes à eleição.

b) O Presidente da Mesa não deverá declarar empossado quem não revestir as condições legais ou estatutárias de elegibilidade ou investidura.

c) Se, sem justificação qualquer dos membros eleitos não se apresentar, a tomar posse do seu cargo, no local, dia e hora marcados pelo Presidente da Mesa em carta registada com aviso de recepção, considerar-se-á vago o respectivo lugar.

VII- Direcção

38º A Direcção é composta por um Presidente; um Tesoureiro e um Secretário.

39º A Direcção terá uma reunião mensal e as reuniões extraordinárias que forem convocadas pelo Presidente por sua iniciativa ou sob solicitação da maioria dos seus elementos.

40º
a) As deliberações da Direcção serão registadas em acta lavrada em livro especial, numerado e rubricado em todas as folhas pelo Presidente da Direcção, que assinará os termos de abertura e encerramento.

b) A acta será submetida à aprovação da Direcção nas reuniões seguintes, podendo, se esta assim o deliberar, ser logo aprovada em minuta e lançada depois no respectivo livro.

c) A acta será assinada pelos membros presentes na reunião após a aprovação e pela ordem indicada no 38º.

41º Ao Presidente cabe dirigir as reuniões da Direcção e assegurar o expediente nos intervalos das reuniões da Direcção, cabendo a esta na primeira reunião posterior, ratificar os seus actos.

42º Aos restantes, pela sua ordem, compete participar nas reuniões, e substituir o Presidente nas suas faltas e impedimentos e sucedendo-lhe, em caso de vaga, até ao preenchimento desta, na forma prevista neste RGI, bem como os pelouros que lhe foram atribuídos.

43º Ao Tesoureiro compete a responsabilidade de assegurar a gestão dos assuntos de carácter financeiro, nomeadamente dirigir os serviços de tesouraria, superintender na escrituração, guardar os valores da APJB, arrecadar os rendimentos da APJB, assinar com o Presidente em exercício os cheques, documentos e contratos de que resultem para a APJB obrigações de carácter financeiro, incluindo as folhas de vencimento de pessoal e, de um modo geral, zelar pelo perfeito funcionamento da Tesouraria.

44º Ao Secretário cumpre dirigir os serviços de Secretaria e a conservação e bom funcionamento das instalações, bem como manter actualizado o livro de actas da Direcção.

45º
a) As reuniões da Direcção são privadas, podendo no entanto a elas assistir, sem direito a voto, qualquer membro dos corpos gerentes ou de algum convidado especial.

b) Sempre que o julgue conveniente, poderá a Direcção solicitar a comparência de qualquer membro dos corpos gerentes ou convidado especial.

c) As deliberações da Direcção são tomadas por maioria simples dos votos presentes, tendo um voto cada um, cabendo ao Presidente, ou ao seu substituto, voto de qualidade.

d) O quórum para as reuniões da Direcção é constituído pela maioria dos elementos que dela fazem parte.

e) Os Directores vencidos têm o direito de fazer exarar na acta declarações de voto correspondentes.

46º Compete à Direcção praticar todos os actos de governo e administração da APJB, com ressalva dos outros órgãos, e em especial:

1- Representar a APJB;
2- Cumprir e fazer cumprir o seu Estatuto e Regulamentos;
3- Executar as deliberações dos restantes corpos gerentes;
4- Administrar os fundos da APJB;
5- Elaborar propostas de alteração de Estatutos e Regulamentos;
6- Inscrever novos sócios;
7- Elaborar, anualmente, o relatório e contas, relativo ao ano social findo, e distribui-los, quinze dias antes da data de reunião, pelas entidades com representação na AG;
8- Elaborar o orçamento previsional e os orçamentos suplementares e planos de actividades;
9- Solicitar a convocação extraordinária AG, nos termos estatuídos;
10- Conceder louvores e propor à AG a proclamação de categorias honoríficas;
11- Contratar e despedir o pessoal da APJB;
12- Nomear comissões;
13- Criar e organizar os serviços e departamentos administrativos e técnicos especiais que entenda necessários;
14- Estabelecer o calendário oficial das Acções organizadas pela APJB;
15- Convocar reuniões de Sócios, para fins que julgar convenientes;
16- Tomar conhecimento e julgar os recursos interpostos para si, nos termos regulamentares;
17- Submeter a parecer dos restantes órgãos os assuntos sobre os quais pela sua especialização, devem pronunciar-se;
18- Submeter a parecer de qualquer Órgão os assuntos sobre os quais pelo disposto neste RGI, deve pronunciar-se;
19- Organizar ou patrocinar, mediante informação prévia à FPB, cursos de arbitragem.
20- Organizar e manter actualizadas as fichas individuais dos Filiados inscritos;
21- Convocar a reunião conjunta dos membros dos corpos gerentes, quando o entender necessário;
22- Deliberar sobre as questões suscitadas entre os seus sócios;
23- Manter actualizado o inventário dos bens patrimoniais da APJB.

47º A justificação dos actos da Direcção e o recurso das suas deliberações cabe à e para a AG, das deliberações tomadas por esta pode recorrer-se para o Conselho Técnico-Jurisdicional da FPB, que decidirá em última instância.

VIII – Conselho Fiscal

48º O Conselho Fiscal é composto por um Presidente e dois vogais.

49º Na sua primeira reunião após terem sido empossados, os membros do Conselho Fiscal escolherão, entre si, o vogal que deverá substituir o Presidente nas sua ausências ou impedimentos.

50º O Conselho Fiscal terá reuniões ordinárias trimestrais e as reuniões extraordinárias convocadas pelo Presidente, por sua iniciativa ou sob solicitação da Direcção da APJB.

51º
a) As deliberações do Conselho Fiscal serão registadas em acta lavrada em livro especial, numerado e rubricado em todas as folhas pelo Presidente, que assinará os termos de abertura e de encerramento;

b) A acta será submetida à aprovação do Conselho Fiscal nas reuniões seguintes, podendo, se esta assim o deliberar, ser logo aprovada em minuta e lançada depois no respectivo livro;

c) A acta será assinada pelos membros presentes na reunião após aprovação e pela ordem indicada nos n.ºs 48º e 49º.

52º Compete ao Conselho Fiscal:

1 – Examinar, pelo menos trimestralmente, as contas da APJB e zelar pelo cumprimento do orçamento;
2 –Elaborar anualmente pareceres sobre os orçamentos e contas da APJB;
3 – Emitir pareceres sobre projectos de novos regulamentos ou propostas de alteração dos regulamentos ou Estatutos em vigor, na parte respeitante às finanças da APJB;
4 – Emitir pareceres sobre todos os assuntos que lhe sejam submetido pela Direcção;
5 – Solicitar a convocação extraordinária da AG para os efeitos do Artº. 46º n.º 7;
6 – Exercer os demais poderes que lhe sejam conferidos pelo RGI, por demais regulamentos e anexos.

53º A justificação dos actos do Conselho Fiscal só é devida à AG.

X – Regime Económico-Financeiro

54º As receitas da APJB compreendem:

1 – As quotizações dos associados;
2 – As taxas de filiação;
3 – O produto de multas, indemnizações e quaisquer outras importâncias, que nos termos regulamentares devem reverter para a APJB;
4 – Os donativos e subvenções;
5 – Os juros de valores depositados;
6 – Os produtos da alienação de bens;
7 – Os rendimentos de todos os bens patrimoniais;
8 – Os rendimentos eventuais.

55º Constituem despesas da APJB:

1 – Os encargos das instalações manutenção dos serviços;
2 – O custo das deslocações a efectuar pelos membros dos seus órgãos quando em serviço da APJB;
3 – Os encargos resultantes das actividades desportivas;
4 – Os custos dos prémios, medalhas, emblemas e outros trofeus;
5 – Os subsídios e subvenções aos Sócios e outros organismos, previstos na Lei, Estatutos ou Regulamentos;
6 – Os encargos resultantes de contratos, de operações de crédito ou decisões judiciais.

56º Os actos de gestão da APJB serão registados em livro próprio e comprovados por documentos devidamente legalizados, ordenados em arquivo.

57º A contabilidade será organizada nos termos aplicáveis do POC, por forma a garantir maior eficácia na realização dos objectivos da APJB, devendo igualmente possibilitar a fiscalização, a todo o momento, da arrecadação de receitas e da regularidade das despesas, bem como a determinação das divergências entre as verbas orçamentadas e as realidades correspondentes.

58º A Direcção elaborará anualmente o balanço e as contas da gerência, os quais deverão dar a conhecer de forma clara, a situação económica da APJB, e que deverão ser presentes para aprovação à AG.

XI – Regulamentos

59º
a) Para a conveniente aplicação dos princípios gerais definidos neste RGI poderão estabelecer-se os regulamentos que se mostrem necessários;

b) Enquanto estes não existirem, os casos omissos serão regulados pelo disposto nos regulamentos da FPB aplicáveis.

XII – Disposições Gerais

60º As disposições deste RGI entram em vigor na data da sua aprovação em AG.

Estatutos da APJB

Estatutos da APJB – Associação Portuguesa de Jogadores de Badminton

Artigo 1º. – Denominação, sede e duração
A associação, sem fins lucrativos, adopta a denominação APJB – ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE JOGADORES DE BADMINTON, e tem a sede na Avenida Fontes Pereira de Melo, Número 35, 18º.-B, Lisboa, freguesia de São Sebastião da Pedreira, concelho de Lisboa e constitui-se por tempo indeterminado.
A associação tem o número de pessoa colectiva 508463823 e o número de identificação na segurança social 25084638239.

Artigo 2º. – Fim
A associação tem como fim promover e divulgar a modalidade de badminton, formação, organização de provas.

Artigo 3º. – Receitas
Constituem receitas da associação, designadamente:
a) a jóia inicial paga pelos sócios;
b) o produto das quotizações fixadas pela assembleia geral;
c) os rendimentos dos bens próprios da associaação e as receitas das actividades sociais;
d) as liberalidades aceites pela associação;
e) os subsídios que lhe sejam atribuídos.

Artigo 4º. – Órgãos
São Órgãos da associação a assembleia geral, a direcção e o conselho fiscal.
O mandato dos titulares dos órgãos sociais é de 4 anos(s).

Artigo 5º. – Assembleia geral
A assembleia geral é constituída por todos os associados no pleno gozo dos seus direitos.
A competência da assembleia geral e a forma do seu funcionamento são os estabelecidos no Código Civil, designadmente no artigo 170º., e nos artigos 172º. a 179º.
A mesa da assembleia geral é composta por três associados, um presidente e dois secretários, competindo-lhes dirigir as reuniões da assembleia e lavrar as respectivas actas.

Artigo 6º. – Direcção
A direcção, eleita em assembleia geral, é composta por 3 associados.
À direcção compete a gerência social, administrativa e financeira da asssociação, representar a associação em juízo e fora dele.
A forma do seu funcionamento é a estabelecida no artigo 171º. do Código Civil.
A associação obriga-se com a intervenção de duas assinaturas.

Artigo 7º. – Conselho Fiscal
O conselho fiscal, eleito em assembleia geral, é composto por 3 associados.
Ao conselho fiscal compete fiscalizar os actos administrativos e financeiros da direcção, fiscalizar as suas contas e relatórios, e dar parecer sobre os actos que impliquem aumento das despesas ou diminuição das receitas.
A forma do seu funcionamento é a estabelecida no artigo 171º. do Código Civil.

Artigo 8º. – Admissão e exclusão
As condições de admissão e exclusão dos associados, suas categorias, direitos e obrigações, constarão de regulamento a aprovar pela assembleia geral.

Artigo 9º. – Extinção. Destino dos bens.
Extinta a associação, o destino dos bens que integrarem o património social, que não estejam afectados a fim determinado e que não lhe tenham sido doados ou deixados com algum encargo, será objecto de deliberação dos associados.

Aos 15 dias do mês de Abril de 2008.

BEM VINDOS

Posted in Uncategorized with tags on Outubro 25, 2008 by apjbadminton

Este é o Blog Oficial da Associação Portuguesa de Jogadores de Badminton – APJB.

Após o Registo Provisório efectuado em 25 de Janeiro de 2008 concretizou-se em Lisboa, dia 15 de Abril de 2008, a constituição desta Associação, com a apresentação e registo do pacto social no RNPC – Registo Nacional de Pessoas Colectivas, tendo-lhe sido atribuído o NIPC – Número de Identificação 508463823.

A APJB foi criada pela iniciativa de uma comissão instaladora de carolas da modalidade (João Nero e companhia e contou para a sua formalização oficial com José Bento).

A criação desta Associação foi já apresentada em Assembleia Geral da Federação Portuguesa de Badminton, sendo que até ao momento se aguarda por aprovação da sua entrada na Estrutura da nossa modalidade, por parte deste Órgão federativo.

A primeira Assembleia Geral, para Eleições dos Corpos Gerentes, realizou-se no dia 17 de Maio de 2008, nas Caldas da Rainha, pelas 15h, por altura da realização dos Campeonatos Nacionais Individuais de Seniores. 

Até à data de realização das eleições apenas uma lista foi apresentada, tendo sido esta eleita. Assim sendo, apresentam-se de seguida os primeiros membros eleitos para a APJB:

ASSEMBLEIA GERAL 

Presidente: HUGO RODRIGUES

Secretário: GONÇALO SOUSA

Secretária: ÂNGELA LEITE

 

DIRECÇÃO

Presidente. VÂNIA LEÇA

Tesoureiro: NUNO SANTOS

Secretária: TELMA SANTOS

 

CONSELHO FISCAL 

Presidente: INÊS NERO

Vogal: ALEXANDRE PAIXÃO

Vogal: DALILA BELÉM

 

A tomada de posse desta lista deu-se a 7 de Junho de 2008, durante os Campeonatos Nacionais de Equipas Homens e Senhoras.

Até ao momento a actividade desta nova entidade do Badminton Nacional tem estado como que adormecida, contudo este panorama mudará nas próximas semanas, uma vez que os seus membros já colocaram mãos à obra por forma a que esta comece a funcionar da melhor forma possível, indo de encontro àquilo que são os interesse de todos os nossos Jogadores.

Para terminar, esperamos agora a contribuição de todos, quer em sugestões, quer em críticas, sendo que o podem fazer para o seguinte e-mail:

E-MAIL DA APJB

associacaojogadores@hotmail.com